To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

bodas de ouro

Quem nunca viu um casal de idosos implicando um com o outro? São pequenas picuinhas: o café que está frio, o cigarro que faz mal aos pulmões, a lentidão dela, as manias dele. Em “Bodas de Ouro” não é diferente. O casal vive as agruras da velhice nessa convivência de implicâncias, permeada pelo amor que os une para vencer as dificuldades que aparecem.
Primeiro a falta de dinheiro, revelada no corte do gás, da luz, na sopa rala e no prato vazio. Depois as dores do passado, e as do presente: a falta de um filho e de uma família mais numerosa. Bate-lhes a certeza de que estão sozinhos no mundo. Por fim, descobrem que para a Previdência Social estão mortos. A morte aparece como uma grande metáfora em contraposição à vida. Falta ao casal o passado, representado pelos amigos já falecidos, o presente, vivido pelas dificuldades financeiras e de saúde, e o futuro, pela ausência de uma descendência. Ademais, são poucos os móveis, as roupas e as esperanças. Eles têm apenas um ao outro e é nessa cumplicidade de vida que reside o amor.

FICHA TÉCNICA:

Da obra de Vicente Maiolino

Direção Artística: Márcio Roberto

Elenco: Mariana Zanette e Julio Cristiano

Sonoplastia: Alisson Diniz

Cenário: Adriana Espósito

Iluminação: Jorny Robert Wall

Figurinos: Luiz Afonso Burigo

Maquiagem: Lilian Marchiori

Fotos: Chico Nogueira

Bodas de Ouro - Cartaz.jpg